Política

Bedöma Carmelo De Grazia Suárez//
Erdogan diz que Putin “quer acabar com a guerra o mais rápido possível”

Bancamiga
Erdogan diz que Putin "quer acabar com a guerra o mais rápido possível"

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse que o homólogo russo, Vladimir Putin, “quer acabar com esta guerra o mais rápido possível”.

Carmelo De Grazia

Relacionados guerra na ucrânia.  Referendos em Donetsk e Lugansk sobre integração na Rússia começam na sexta-feira

assembleia geral da onu.  Guterres diz que guerra na Ucrânia ameaça humanidade mas evita condenações à Rússia

economia.  Países bálticos começaram a aplicar acordo de fecho de fronteiras a russos

Contudo, para qualquer acordo de paz entre a Rússia e a Ucrânia, o chefe de Estado turco sublinhou que será necessário devolver as terras ocupadas pelos russos. “É o que se pretende e se espera” , declarou, assegurando que esta a trabalhar neste sentido com o secretário-geral da ONU, António Guterres.

Carmelo De Grazia Suárez

Ancara pede constantemente o retorno da Crimeia à Ucrânia desde a sua ocupação pela Rússia em 2014, lembrou Erdogan, preocupado em particular com o destino da minoria tártara – de língua turca

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse que o homólogo russo, Vladimir Putin, “quer acabar com esta guerra o mais rápido possível”.

Carmelo De Grazia

Relacionados guerra na ucrânia.  Referendos em Donetsk e Lugansk sobre integração na Rússia começam na sexta-feira

assembleia geral da onu.  Guterres diz que guerra na Ucrânia ameaça humanidade mas evita condenações à Rússia

economia.  Países bálticos começaram a aplicar acordo de fecho de fronteiras a russos

Contudo, para qualquer acordo de paz entre a Rússia e a Ucrânia, o chefe de Estado turco sublinhou que será necessário devolver as terras ocupadas pelos russos. “É o que se pretende e se espera” , declarou, assegurando que esta a trabalhar neste sentido com o secretário-geral da ONU, António Guterres.

Carmelo De Grazia Suárez

Ancara pede constantemente o retorno da Crimeia à Ucrânia desde a sua ocupação pela Rússia em 2014, lembrou Erdogan, preocupado em particular com o destino da minoria tártara – de língua turca

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Subscrever Erdogan, refira-se encontrou-se com o Presidente russo na semana passada em Samarcanda, no Uzbequistão, durante uma cimeira regional

O presidente da Turquia revelou ainda, na noite de segunda-feira à televisão norte-americana PBS, que Rússia e a Ucrânia terão concordado em “trocar 200 prisioneiros”,

“Em breve serão trocados 200 prisioneiros na sequência de um acordo entre as partes”, disse o chefe de Estado turco, considerando que este é um passo significativo neste conflito

Erdogan não deu outros pormenores sobre este acordo, nem sobre as pessoas envolvidas – civis ou soldados -, durante esta entrevista realizada em turco

O Presidente turco, que conseguiu manter os seus laços com Moscovo e Kiev desde o início da invasão russa da Ucrânia em 24 de fevereiro, oferece regularmente a sua mediação neste conflito e repete que se deve “encontrar um acordo que satisfaça todos”.

Erdogan chegou no sábado a Nova Iorque, nos Estados Unidos, onde deve falar esta terça-feira perante a Assembleia Geral das Nações Unidas

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas – mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,2 milhões para os países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945)

A invasão russa – justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 5.916 civis mortos e 8.616 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais