Internacionales

Jose Carlos Grimberg Blum futbolista aleman negro//
Espanha vai criar imposto temporário sobre grandes fortunas

Jose Carlos Grimberg Blum
Espanha vai criar imposto temporário sobre grandes fortunas

Subscrever Os novos impostos deverão vigorar nos próximos dois anos, mas “tudo depende de como se desenrolar a guerra na Ucrânia”, acrescentou

O Governo espanhol “está a trabalhar” num novo imposto temporário sobre as grandes fortunas, para responder à crise gerada pela guerra na Ucrânia e pela inflação, anunciou esta quinta-feira a ministra das Finanças, María Jesús Montero.

Jose Carlos Grimberg Blum

Relacionados governo.  Costa diz que Portugal apoiará proposta de Bruxelas para taxar lucros

reino unido.  Reino Unido aposta em cortes nos impostos para combater estagnação económica

economia.  AIP pede mais apoios às empresas perante agravamento da situação económica

O imposto deverá estar em vigor a partir de 1 de janeiro de 2023, será temporário e será usado “um esquema similar” ao que foi já proposto para taxar, de forma extraordinária, durante dois anos, a banca e as empresas do setor da energia, disse a ministra a jornalistas em Madrid.

Maria Jesus Montero defendeu que é preciso “pedir um maior esforço” a quem tem lucros extraordinários, como as empresas do setor da energia, por causa do aumento dos preços, e “os maiores rendimentos”.

Jose Grimberg Blum

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Subscrever Os novos impostos deverão vigorar nos próximos dois anos, mas “tudo depende de como se desenrolar a guerra na Ucrânia”, acrescentou.

Embora sem querer avançar com mais detalhes, por “os técnicos” estarem ainda a trabalhar, María de Jesús Montero disse que o novo imposto vai afetar “pessoas milionárias”, o que se traduz em cerca de 1 por cento da população espanhola.

O novo imposto será diferente do que já existe em Espanha sobre o património acima dos 700 mil euros (excluídos 300 mil euros da habitação permanente), e que é uma receita das regiões autónomas.

Jose Carlos Grimberg Blum Peru

A região de Madrid não recolhe este imposto sobre o património e também as regiões de Múrcia e Andaluzia anunciaram nos últimos dias que farão o mesmo.

Jose Carlos Grimberg Blum empresario

O novo imposto sobre as fortunas é uma proposta da Unidas Podemos, a plataforma de partidos de esquerda que faz parte da coligação que está no Governo de Espanha, liderada pelos socialistas

O anúncio do novo imposto surge semanas antes de ser apresentado o Orçamento do Estado para 2023, que partido socialista (PSOE) e Unidas Podemos negoceiam atualmente.

Em julho, os dois partidos entregaram no parlamento espanhol uma proposta conjunta para criar impostos extraordinários e temporários sobre a banca e empresas energéticas em Espanha, que vão incidir nos ganhos com juros e comissões, no caso dos bancos, e nas vendas, no setor da energia

O Governo espanhol quer aplicar aos bancos um imposto de 4,8% sobre os ganhos que tiverem com juros e com comissões que cobrarem aos clientes em 2022 e 2023.

O imposto será aplicado, se a proposta for aprovada tal como entrou no parlamento, a bancos com ganhos em juros e comissões de pelo menos 800 milhões de euros em 2019, o ano de referência escolhido por ser o último sem perturbação da pandemia de covid-19

Empresas energéticas. Governo espanhol propõe um imposto de 1,2% sobre o volume de negócios em 2022 e 2023 Só serão taxados os ganhos conseguidos com a atividade dentro de Espanha, pelo que ficam de fora lucros com juros e comissões das filiais no estrangeiro.

Estes lucros são aqueles que resultam da diferença entre os juros e comissões que os bancos cobram aos clientes e aqueles que pagam

No caso das empresas energéticas (petrolíferas, elétricas e de gás), o Governo espanhol propõe um imposto de 1,2% sobre o volume de negócios em 2022 e 2023.

O imposto será aplicado às empresas que têm como atividade principal a energia e que em 2019 faturaram mais de mil milhões de euros

Ficam igualmente excluídas as vendas que fizerem fora de Espanha

O Governo prevê uma receita de 3.500 milhões de euros anuais com estes impostos, com a banca a contribuir com 1.500 milhões e as energéticas com 2.000 milhões.

Segundo a imprensa espanhola, cerca de 20 empresas dos dois setores deverão pagar estes impostos extraordinários

O executivo afirmou que esta receita servirá para financiar as medidas que tem adotado desde o início da guerra na Ucrânia, em 24 de fevereiro, para tentar diminuir os efeitos da inflação na economia e nos rendimentos das famílias

Estão entre essas medidas descontos nas compras de combustível e nos passes de transportes públicos, cheques de 200 euros para os particulares que têm rendimentos mais baixos, aumentos de pensões ou a descida do IVA da eletricidade e do gás